O Belenenses venceu ao início da tarde o Coruchense por 2-1 no regresso ao Restelo em partida da 18ª e última jornada da Série E do Campeonato de Portugal, com Ruben Araújo a bisar, fechando esta fase da competição isolado no primeiro lugar com 33 pontos na tabela, mais dois do que o Pêro Pinheiro que acabou por ser a formação que acompanha os azuis para a Série Sul da Fase de Subida onde os comandados de Hugo Martins vão discutir o acesso à Liga 3.

Na Fase de Subida, o Belenenses terá como adversários, para além do Pêro Pinheiro, os açoreanos do GD Fontinhas e o Sertanense FC – dois primeiros da Série D -, bem como as formações algarvias do SC Olhanense e LGC Moncarapachense, as duas primeiras classificadas da Série F, num campeonato a seis, a duas voltas, em que os dois primeiros carimbam a subida à Liga 3. O sorteio desta fase da prova terá lugar já na próxima terça-feira, com a primeira jornada a ter lugar no fim-de-semana de 19 e 20 de Março.

Numa partida em que sócios e adeptos do Belenenses acorreram em grande número ao Estádio do Restelo à entrada de uma última ronda em que cinco equipas tinham ainda hipóteses matemáticas de seguir em frente, foram os azuis a começar com o pé no acelerador procurando desde o início chegar com perigo ao último reduto coruchense. Com o passar do tempo, numa tarde imprópria para cardíacos e com olhos e ouvidos colados a vários campos, sentia-se algum nervosismo dentro das quatro linhas ainda que os azuis tivessem a vantagem de dependerem apenas de si próprios e se tenham visto a jogar frente a dez unidades, com uma expulsão para o Coruchense por agressão a Fred Martins. Mas foi apenas já perto do intervalo que Ruben Araújo aproveitou da melhor maneira uma atrapalhação na defensiva contrária para rematar com acerto e abrir o marcador, levando equipa e adeptos para um interregno em maior tranquilidade.

Quando se esperava uma segunda parte mais controlada, o Belenenses acabou por ser surpreendido cedo por um grande remate que devolveu a igualdade ao marcador, voltando o jogo a um registo de maior nervosismo muito contrariado pelo forte apoio que o público transmitia à equipa. O Belenenses voltava a ter de correr atrás de nova vantagem para não depender de terceiros – ainda que a conjugação de resultados desta jornada tivesse permitido um empate -, e procurava a grande área contrária mas muitas vezes com mais coração do que cabeça. Hugo Martins mexeu na equipa e foi justamente Clé, recém-entrado no jogo, a aproveitar uma bola a meio campo e a correr para o último reduto contrário tendo sido derrubado na hora de rematar para o golo. Grande penalidade prontamente assinalada e que Ruben Araújo converteu em nova vantagem dos azuis, registo que não veio a sofrer alterações até final. Em resumo, em tarde de muitos nervos um triunfo justo da equipa que mais o procurou, com boa réplica de um adversário que nunca se deu por vencido.

Hugo Martins fez alinhar um onze com Marcelo Valverde; Fred Martins, Alex Figueiredo, Duarte Henriques e Gonçalo Maria; Pipo, Duarte Valente, Mauro Antunes (Cap.), Rui Batalha, Herlander e Ruben Araújo. No banco, às ordens da equipa técnica, estavam Tomás Foles, Fábio Marinheiro, André Frias, Sénica, Flavinho, Clé e Dida.

Confere os resultados da 18ª Jornada:

// Belenenses, 2 – Coruchense, 1
// Ideal, 0 – Sacavenense, 1
// Pêro Pinheiro, 3 – Operário Lagoa, 2
// Loures, 3 – Rabo de Peixe, 0
// Elvas, 1 – Sintrense, 1

Confere a classificação final da Série E: